Postagens em Altum Lyra
Causas

Para ilustrar “Causas”, escolhi a Judith, pintada por Caravaggio. Meu intuito era enfatizar a mulher em sua necessidade expressa de livrar-se do homem para conseguir paz, paz esta que foi brutalmente arrancada desde a ascensão do patriarcado. Isso foi minha inte…

Leia Mais
Altum LyraOanna SeltenComentário
Das Veras Cruéis

No mundo ser nenhum existe além | Do morno frívolo ato bem comum | Que faça a vida, então, valer n’algum | Meandro d’este andejo até que alguém | Invoque o mui temível fel de exício | Que vem sem dó sorver fluido d’alma | E dá um riso p’ra atonia e encauma…

Leia Mais
Altum LyraOanna SeltenComentário
Ergástulo

Quantos choros cabem nesta lira douta? | Mortos, nós, vagantes, fracos como vultos | Cujos olhos mui doentes, tão sepultos, | Só revelam sobre a ébria falta afouta; | Esta então que é raiz do estar-se só…

Leia Mais
Altum LyraOanna SeltenComentário
Projeção

Este meu Soneto é sobre as nímias sensações advindas da leitura do conto “Silêncio — Uma Fábula”, de Edgar Allan Poe. Edgar é-me inspiração para cada redigir, pois que possui uma….

Leia Mais
Altum LyraOanna SeltenComentário
Excruciante

Porque nas dobras d’este árduo tempo | Cansei-me e dói lembrar o meu pretérito, | Contínuos tons, ruínas são uno mérito | Cabível n’este espírito ao vento, | O qual pertence a mim e não me orgulho…

Leia Mais
Altum LyraOanna SeltenComentário