Tardo Ao Horizonte

Gustave Dore — Andromeda (1869)

Gustave Dore — Andromeda (1869)

Árduo o intento à ciência é-me
Pois que a ânsia pulsa insana
Onde pendo o meu nirvana
Não tocado em tez estreme;

Vejo, desce gélida ao nimbo
Toda angústia tão covarde
Marca minha carne tarde
Quand’o sol poente é exício;

Dói-me, ó verdade fria!
Cá fadada à cruel tristina
Tal dilúvio jaz-me lívido,

Culpa à maciça cruz selada
N’este dorso nu, apoiada
Desd’o vir-a-ser prescrito.

Altum Lyra, PoesiaOanna SeltenComentário