Indagações
 Foto de  Anthony Tran  em  Unsplash

Quantas palavras repetimos
N’uma gana d’expostos órgãos
Energizada por soberba
Do tipo que dizim’a sanidade?

Quantos íntimos estão tomados
Por uma filáucia que não finda
Sem elo à coexistência
Que à existência é tão fulcral?

Quantos espelhos refletindo
As mesmas frontes dissimuladas
Hão de permanecer erguidos
Diante a extinção d’esta estirpe?

Quantos poemas terei escrito
Até que, por fim, tome a sentença
D’evadir-me d’este perfunctório
Gênero Humano?

~