Valores da Família  | Poesia Sim!

Afastei-me dos que amo
Pois já não sei como os amo
E como poderia eu amá-los,
Se a morte permeia seus lábios,
Se a discriminação é o retrato
De suas paredes de sangue?

Afastei-me dos qu’eu amava
Da família que foi exemplo
Agora vinculad’a’ódio extremo
Está, de crueldade, manchada;

Não, não consigo olhá-los sem vê-los
Culpados pelos massacres
De gays, lésbicas, mulheres, jovens
E negros.

Oh, não, eu não consigo
Olhá-los sem dar vida à dor d’alma
Florescida em terra de fel
Debaixo de meus pés exaustos

Quem me dera ainda amá-los
Mamãe sorri amorosa
Mas o que vejo em seus níveos dentes
É a nódoa d’aflição de tanta gente
Chacinada por etnia e gênero

E a vovó de domingo na igreja
E o padrasto outrora tão pai
Queria eu poder enxergá-los outra vez
Em seus rostos afáveis
Mas estão cobertos por um manto
Que me assusta e me fere

Manto de corpos estuprados
E de crianças espancadas
E de Fascismo que ensurdece
E de esperança desfigurada…

Como eu posso assim amá-los?
Tal como aprendi, perdoá-los…
Como eu poderei?
E se não conseguir?

Ond’estão os valores da família?
Oh, ond’está o valor da minha família?

Outrora recitávamos de joelhos
Bem me lembro, na infância,
“Amarás ao teu próximo
Como a ti mesmo”.

Oanna Selten, 
12 de Outubro de 2018

~

A campanha #PoesiaSim é uma iniciativa de combate ao fascismo em ascensão na sociedade brasileira. Tendo em vista todas as manifestações ao redor do país, nós como artistas, não podemos nos calar diante da barbárie que assombra a nação. Seremos resistência.