Inferno d'inverno

Maldito clima Inóspito!
Angústia gélida corrói
Todo meu corpo imóvel

Busco aquecer-me
Mas a aflição é ártico
Vem do cerne de mim.

É núcleo da estação
Inferno d'inverno escarra-me
Doença em minhas vísceras.

Jaz nesta casa, nesta cama,
Est'alma qu'eu era antes
D'esta atmosfera glacial.

Queime agora minha pele maldita
Não espere, acabe com isso!
Fira minhas entranhas já frígidas!

Faça-me definhar
N'este teu precipício
N'este álgido purgatório
Debaixo d'esta chuva-tormento. 

LacrmnOanna SeltenComentário