Reticências

 Photo by  Hoach Le Dinh  on  Unsplash

Negro dossel de melancolia
Acima d’u’manto pálido,
Em silêncio esquálido
Repouso minh’agonia;

Vácuo perpétuo qu’intimida,
Aquém a mim tão extático
Emerge em eflúvio apático
Trajando mórbida sinfonia;

Vejo o limiar sepulcral
E na invertida cruz do caos
Cativo-me em dolências

Perco-me de meu espírito
Homizio-me no escuro imo
Do sopro das reticências.

~